Logo Posto Hoje

INFORMAÇÃO E SERVIÇOS PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

POSTO HOJE É ENVIADA GRATUITAMENE A DIRIGENTES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS. FAÇA AQUI SEU CADASTRO

08/04/2021

 

Possível aumento do diesel pode ser 'estopim' para greve dos caminhoneiros

 

A Fecombustíveis, representante dos postos de revenda de combustíveis, enviou um ofício ao presidente da República, Jair Bolsonaro, alertando-o para a tendência de aumento do preço do diesel a partir de maio e possível “estopim” para uma nova greve dos caminhoneiros. No documento, assinado também pelo Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), o setor pede a redução da atual mistura de biodiesel ao óleo diesel. Segundo as estimativas dos revendedores, o preço do litro do diesel pode sofrer um impacto de R$ 0,67 em maio, devido ao aumento dos custos de aquisição do biodiesel e ao fim da isenção do Pis/Cofins sobre o combustível – que era válido apenas para março e abril - sem contar possíveis aumentos nos preços de referência (PMPF) utilizados pelos Estados para efeitos de cálculo do ICMS.

Leia mais em:  https://valorinveste.globo.com/mercados

 

Preço do diesel avança 16,80% no primeiro trimestre do ano

 

Valor médio do litro do combustível em março foi 9,39% maior que em fevereiro. O mais recente levantamento do Índice de Preços Ticket Log (IPTL) registrou novo aumento no preço médio do diesel no País. Na comparação com o mês anterior, o valor médio por litro do combustível avançou 9,39% e foi encontrado a R$ 4,487. Ao considerar o primeiro trimestre de 2021, o preço aumentou 16,80%. “Trata-se da quinta alta consecutiva do diesel. Desde outubro, quando o levantamento registrou o último recuo na comparação mensal, o preço médio do combustível avançou 21,82%”, pontua Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil. O diesel S-10, que também registra aumento nos preços desde outubro do ano passado, apresentou valor médio por litro de R$ 4,539 em março, após alta de 8,95% em relação a fevereiro. O combustível avançou 16,44% no trimestre.

Leia mais em:  https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias

 

ANP paralisa leilão de biodiesel quando o valor estava 3 vezes superior ao diesel

 

A nova rodada de leilão de biodiesel foi paralisada no final da manhã de terça (6), quando o valor estava a R$ 7,50 o litro, considerado alto demais por agentes do mercado de combustíveis. “Três vezes o valor do diesel na refinaria”, disse uma fonte ao Money Times. O certame é exclusivo para pequenos fabricantes de biodiesel, da Etapa 3A, e até a interrupção dos negócios, pela ANP, já estavam vendidos 61,4 mil m³, correspondente a 62,2% do total de 98,7 mil m³ da Etapa 3A. O informe da agência reguladora de combustíveis não deu detalhes sobre a paralisação. Foi lacônica: “A ANP informa a suspensão cautelas imediata do L79”.

Fonte:  https://www.moneytimes.com.br/anp-paralisa

 

Preços da gasolina e do etanol avançam acima de 10% em março, aponta Ticket Log

 

De acordo com o último Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o etanol apresentou aumento de 17,97% nos preços em março, na comparação com fevereiro. Com isso, o combustível passou a ser comercializado pelo valor médio de R$ 4,599 o litro. Já a gasolina se aproxima de R$ 6,00: após aumento de 12,06% neste mês, o preço médio do combustível foi de R$ 5,717. “Ao comparar o preço da gasolina em março com o registrado em dezembro, é possível notar uma trajetória de aumentos consecutivos ao longo dos levantamentos feitos nesses primeiros meses do ano, que resultaram em um valor médio por litro 22% maior. Se a mesma comparação for feita com o etanol, o aumento no período passa de 24%”, destaca Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

Leia mais em:  https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/

 

Venda direta de etanol atrasou por falta de solução tributária, diz diretor-geral da ANP

 

O diretor-geral da ANP, Rodolfo Saboia (foto), afirmou nesta terça (6) que a demora por parte do Ministério da Economia em apresentar uma solução tributária para a venda direta atrasou a criação do chamado distribuidor vinculado — uma alternativa regulatória para viabilizar a venda de etanol por usineiros diretamente aos postos de combustíveis. “Era previsto na própria resolução que fosse apresentada solução pelo Ministério da Economia sobre a questão tributária, uma vez que era premissa do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) que não pudesse haver perda de arrecadação. Nós aguardamos o equacionamento dessa questão tributária, o que não aconteceu. Então a ANP recorreu à figura do distribuidor vinculado”, disse Saboia.

Leia mais em:  https://epbr.com.br/venda-direta-de

 

Cartéis em postos de gasolina geraram R$ 495 milhões em multa, diz Cade

 

O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) , Alexandre Barreto, afirmou que existem, atualmente, 11 processos em andamento na autarquia por indícios de cartel no segmento de revenda de combustíveis em vários estados. De forma geral, são atuações de sindicatos no sentido de induzir conduta comercial, como formação e tabelamento de preços, a seus associados. Segundo Barreto, desde 2013 já foram julgados 28 casos detectados em 17 unidades da federação, com a aplicação de cerca de R$ 495 milhões em multas por condenações no Cade. Durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Barreto reiterou que, com base em informações fornecidas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) , o Cade terá um mapa, em tempo real, dos preços dos combustíveis em todo o país. Isso permitirá saber se está ou não ocorrendo cartel.

Leia mais em:  https://economia.ig.com.br/rtel-combustiveis

 

Venda direta do etanol das usinas vai estimular concorrência e frear o aumento no preço da gasolina nos postos de combustíveis

 

Venda de etanol por usineiros diretamente aos postos de combustíveis pode se tornar a ´solução` para conter e frear o aumento do preço da gasolina. A fim de tentar frear o aumento no preço da gasolina e do diesel nos postos de combustíveis, o Projeto de Decreto Legislativo (PDC 916/2018), que trata sobre a venda direta de etanol pelas usinas – sem passar pelas distribuidoras, ganhou fôlego nas últimas semanas com apoio do governo. Na última terça-feira (06/04), o diretor-geral da ANP, Rodolfo Saboia, afirmou, que a criação do chamado distribuidor vinculado – uma alternativa regulatória para viabilizar a venda de etanol por usineiros diretamente aos postos de combustíveis, atrasou devido a demora por parte do Ministério da Economia em apresentar uma solução tributária. Ele participou de audiência pública remota da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), presidida pelo senador Otto Alencar (PSD), para discutir o sistema de distribuição de combustíveis do Brasil e a existência de um possível cartel no segmento.

Leia mais em:  https://clickpetroleoegas.com.br/venda

 

 

Coluna Fernando Calmon   Nº 1.144

 

Fernando Calmon é engenheiro e jornalista especializado no setor automobilístico desde 1967, quando produziu e apresentou o programa 'Grand Prix' na TV Tupi, no ar até 1980. Dirigiu a revista AutoEsporte por 12 anos e foi editor de automóveis das revistas O Cruzeiro e Manchete. Entre 1985 e 1994, produziu e apresentou o programa 'Primeira Fila' em cinco redes de TV. A coluna Alta Roda, criada em 1999, é publicada semanalmente na internet. Calmon também atua como consultor em assuntos técnicos e de mercado na área automobilística, e como correspondente para o Mercosul do site inglês just-auto. www.fernandocalmon.com.br.

 

Boas novidades nos

80 anos da marca Jeep

 

A origem do nome tem diferentes explicações. Desde a tradicional homofonia em inglês GP (General Purpose, Uso Geral em tradução livre), em 1941, até Eugene the Jeep, o simpático cachorro do Popeye das histórias em quadrinhos, desde 1936. A Wikipédia em português, no entanto, sugere que a palavra surgiu nos anos 1910. “Durante a Primeira Guerra Mundial os mecânicos do exército americano começaram a chamar de jeep qualquer máquina nova que chegasse a suas mãos, de motosserras a aviões.”

 

Ao longo de 2021 haverá quatro edições especiais comemorativas: Wrangler, Grand Cherokee, Compass e Renegade, sendo as duas primeiras importadas. Um dos destaques é a nova central multimídia com chip dedicado (rede TIM) e Wi-Fi a bordo para até oito usuários simultâneos, no Renegade e no Compass. Antecipado nesta coluna em agosto do ano passado, o sistema chama-se Adventure Intelligence. Tem características similares às já oferecidas nos modelos Chevrolet, inclusive serviço (OnStar) de concierge, rastreamento e aviso automático de acidente grave, entre outros. O MyLink da GM conecta sete usuários (um a menos).

 

 

Uma diferenciação da Jeep é o navegador nativo da TomTom. Permite continuar uma rota mesmo com perda do sinal de celular. Atende assim à imagem da marca ligada ao fora-de-estrada, tração 4x4 e locais remotos. Há três planos de pagamento mensal de dados: R$ 30, R$ 50 e R$ 100 para 5 GB, 10 GB e 40 GB, respectivamente. Os da GM custam R$ 30, R$ 40, R$ 60 e R$ 85 para 2 GB, 5 GB, 10 GB e 20 GB, na ordem. A nova central de 8,4 pol. custa de R$ 1.500 a R$ 2.500, dependendo de cada versão do Renegade.

 

Embora ainda não confirmado o dia exato pela Stellantis, a apresentação do Compass 2022 será no próximo mês com a estreia do motor 4-cilindros turbo de 1,33 litro, 180 cv (gasolina), 185 cv (etanol) e 27,5 kgfm. Trata-se da primeira revitalização desde o lançamento no mercado brasileiro, em setembro de 2016. Em 2020 o modelo dominou dois terços das vendas entre os SUVs médio-compactos. A nova central multimídia com Wi-Fi terá, neste caso, 10,1 pol. Um SUV de sete lugares também estreará no próximo semestre.

 

Tempo de recarga dos
veículos elétricos

 

Falta consenso sobre o ritmo de aceitação e compra efetiva dos modelos elétricos em grande escala. Alguns fabricantes fizeram previsões que variam de 2030 a 2050, nos maiores mercados do mundo, situados no hemisfério norte. Outros insinuam que não investirão mais em motores a combustão, a partir de agora. Marcar datas ou prazos é algo complicado. Em 2014, a Volvo afirmou que “após 2020 ninguém morrerá em acidente num carro nosso". Estamos em 2021 e, obviamente, isso não se materializou. Na realidade, ninguém sabe quando esse dia chegará ou mesmo se chegará.

 

 

Uma pesquisa entre 8.000 consumidores de oito grandes mercados mundiais, publicado pela consultoria IHS Markit, procurou saber quanto tempo aceitariam esperar para que um carro elétrico estivesse totalmente recarregado. Em 2019, 35% responderam 30 minutos e 58%, uma hora. Na prática, porém, esse tem sido um obstáculo para maior aceitação dos elétricos. Quando esse tempo chegará a três ou quatro minutos, equivalente ao de um veículo abastecido por combustível líquido, está difícil de prever.

 

Com pilhas a hidrogênio isso seria possível. Porém, essa é uma tecnologia muito diferente das baterias atuais que, por sua vez, exigem uma rede própria de recarga em estradas e disponibilidade de geração de energia elétrica renovável. No melhor cenário, carros elétricos seriam recarregados à noite como os telefones celulares. Na prática, poderá não ser assim. Afinal, 2030 não está tão distante...

 

ALTA RODA

 

CARGA TRIBUTÁRIA sobre veículos continua a subir no Estado de São Paulo. Não bastou o aumento de ICMS sobre carros novos, que agora em abril saltou para uma alíquota de 14,5% (antes era de 12%). Sobre veículos usados o imposto estadual cresceu de 1,9% para 3,9%. Até mesmo a taxa de licenciamento anual, no caso de modelos novos, foi reajustada em 40,4%. A justificativa é o aumento das despesas para combate ao coronavírus. Pergunta óbvia: quando essas despesas diminuírem, as alíquotas voltarão aos percentuais anteriores?

 

OUTRA MANEIRA de aumentar a carga fiscal, de forma indireta, é o congelamento em R$ 70.000, desde 2009, do valor dos modelos que podem ser adquiridos por Pessoas com Deficiência (PcD). Justo seria corrigir aquele valor, porém preservando o incentivo para aqueles que realmente tenham necessidades especiais. Para isso, a lei precisaria ser revista para um enquadramento menos permissivo sobre o que realmente é uma deficiência. Não vai demorar muito até qualquer modelo com câmbio automático superar os R$ 70.000, considerando as exigências de segurança e emissões veiculares nos próximos anos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ex